Domingo, 11 de Fevereiro de 2007

Diário

“Este diário (…) não é uma crónica dos meus dias, mas a parábola deles” (Diário, Coimbra, 3 de Agosto de 1970)






Pode considerar-se Miguel Torga pioneiro e representante por antonomásia da escrita diarística portuguesa, por ser, juntamente com Virgílio Ferreira, com Conta Corrente, dos que lhe conferiram maior significância. O Diário torguiano, que o autor publicou ininterruptamente entre 1941 e 1993, retratam o pulsar do autor sobre o homem, o mundo e a vida entre 3 de Janeiro de 1932 e 10 de Dezembro de 1993. Este não é o retrato fiel dos acontecimentos e da vida do homem Adolfo Rocha, mas os estremecimentos e reflexões do autor sobre as circunstâncias e conjunturas da vida, como o revela no seu último Diário: “E chega ao fim, com este volume, um livro que comecei a escrever um pouco estouvadamente há sessenta anos, e acabo agora com mais assento. Como é sabido, ninguém conhece o dia de amanhã, e, pelo que me diz respeito, fui um mártir dessa incerteza. E iniciei o presente tomo quase seguro de que o não terminaria. O resultado está à vista: um estendal de dúvidas e gemidos. Mesmo assim, talvez valha a pena que se junte aos outros, como seu natural remate. Mais do que páginas de meditação, são gritos de alma irreprimíveis dum mortal que torceu mas não quebrou, que, sem poder, pôde até à exaustão. E se despede dos seus semelhantes sem azedume e sem ressentimentos na paz de ter procurado vê-los e compreendê-los na exacta medida. E que confia no juízo da posteridade, que certamente lhe vai relevar os muitos defeitos e ter em conta as poucas mas sofridas virtudes (Diário, Coimbra, 9 de Dezembro de 1993).

 Para quem for à cata da verdadeira fisionomia cultural, humana, filosófica, religiosa e intelectual ou política do seu autor, este elucida-o e adverte-o: “Este diário (…) não é uma crónica dos meus dias, mas a parábola deles” (Diário, Coimbra, 3 de Agosto de 1970).

A sua grafia encerra um tríptico que se evidencia: o seu desespero, um desespero humanista, a sua problemática religiosa e a obsessão telúrica.
 

 

publicado por 5estrailes às 14:43

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Representantes do Distrit...

. Processo de Miguel Torga

. Remate

. A Derradeira Viagem

. O Negrilho:O outro poeta ...

. Testemunho do Presidente ...

. Reportagem

. Reino Maravilhoso

. Poeta secular

. S.Leonardo de Galafura

. O problema religioso

. A defesa da liberdade e a...

. O humanismo torguiano

. Um Portugal ibérico e uni...

. Torga, Portugal antropomo...

. O telurismo torguiano e a...

. Diário

. Apresentação da nossa esc...

. Apresentação

. Bibliografia

. Livros publicados e prémi...

. Biografia

. Abertura

.arquivos

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.links

.Visitas

Overseas Money Transfer
Overseas Money Transfer

.Poemas

blogs SAPO

.subscrever feeds