Domingo, 11 de Fevereiro de 2007

O telurismo torguiano e a apologia da identidade de Portugal

     

A um Negrilho

Na terra onde nasci há um só poeta.
Os meus versos são folhas dos seus ramos.
Quando chego de longe e conversamos,
É ele que me revela o mundo visitado.
Desce a noite do céu, ergue-se a madrugada,
E a luz do sol aceso ou apagado
É nos seus olhos que se vê pousada.

Esse poeta és tu, mestre da inquietação
serrana!
Tu, imortal avena
Que harmonizas o vento e adormeces o imenso
Redil de estrelas ao luar maninho.
Tu, gigante a sonhar, bosque suspenso
Onde os pássaros e o tempo fazem ninho!

(Diário, S. Martinho de Anta, 26 de Abril de 1954)

     

 

A eufonia da linguagem torguiana permite-nos ouvir o coração da terra pulsando na semântica das palavras. Este deus do luso capitólio das letras é um poeta telúrico, identificado com a terra, definindo-se como um “geófago insaciável” (Diário, Gerês, 17 de Agosto de 1958). A terra é a fonte de onde tudo parte e onde tudo regressa, é génese e porto de viagem, princípio e fim, mãe e alimento. É esta comunhão com a terra que levam o poeta a estabelecer aqui a sua morada: “sou da terra e sou por ela” (Diário, Coimbra, 5 de Maio de 1946). E em resposta ao axioma de Jesus Cristo “o meu reino não é deste mundo” responde Torga, em sentido antagónico, a epitomisar o seu telurismo, “e o meu, precisamente, é” (Diário, Coimbra, 5 de Maio de 1946).


A caça é para Torga um ritual de comunhão com a terra. Cinegeticófilo de condição, “é na caça que a minha natureza profunda se encontra: - os olhos com a luz, o ouvido com os sons, o tacto com as coisas, o olfacto com os aromas, o sangue com o sangue” (Diário, Folgozinho, Serra da Estrela, 8 de Dezembro de 1973).

 

No seu telurismo, Torga afirma, convictamente, que o homem deve unir-se à Terra, ser-lhe fiel, pois para o poeta, a terra surge como a base da vida e do sentido, chegando mesmo a considerá-la como um ventre materno. Torga personifica a Terra como uma mulher disposta para a fecundação, considerando-a como um ventre materno. O sentimento de identificação com a terra projecta-se num amor pelo “reino maravilhoso” que é S. Martinho de Anta, Portugal e a Ibéria. O telurismo de Torga exprime-se no seu apego à terra, na sua fidelidade ao povo, na sua consciência de português, de ibérico, no espírito da comunhão europeia e universal. 

publicado por 5estrailes às 15:20

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Representantes do Distrit...

. Processo de Miguel Torga

. Remate

. A Derradeira Viagem

. O Negrilho:O outro poeta ...

. Testemunho do Presidente ...

. Reportagem

. Reino Maravilhoso

. Poeta secular

. S.Leonardo de Galafura

. O problema religioso

. A defesa da liberdade e a...

. O humanismo torguiano

. Um Portugal ibérico e uni...

. Torga, Portugal antropomo...

. O telurismo torguiano e a...

. Diário

. Apresentação da nossa esc...

. Apresentação

. Bibliografia

. Livros publicados e prémi...

. Biografia

. Abertura

.arquivos

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.links

.Visitas

Overseas Money Transfer
Overseas Money Transfer

.Poemas

blogs SAPO

.subscrever feeds